Por M.V. Caio Fernando Gimenez

   Frequentemente na rotina histopatológica são necessárias colorações especiais, também denominadas colorações histoquímicas, seja para diagnóstico mais específico, melhor visualização de componentes teciduais, para descartar diagnósticos diferenciais ou até mesmo melhorar a evidenciação de agentes etiológicos, por exemplo, que não são morfologicamente distinguíveis pela coloração de rotina, a Hematoxilina-Eosina (HE).

Mas o que são corantes? Eles são compostos orgânicos aromáticos e ionizáveis, baseados em benzeno. Entretanto, são incolores e necessitam da adição de cromóforos, quanto mais cromóforos, mais intensa a coloração será. A associação dos compostos aromáticos com os cromóforos resulta em cromógenos e para que se liguem especificamente aos tecidos devem estar associados ao auxocromo (quadro 1).

Quadro 1 – Esquema da associação do corante ao tecido (CAPUTO, 2010).

 

Dependendo da carga iônica dos corantes, são classificados em ácidos, básicos ou neutros:

  • Os corantes ácidos possuem auxocromo aniônico, ou seja, carga elétrica negativa e afinidade por componentes básicos do tecido (catiônico (+)), portanto, cora estruturas acidófilas, como o citoplasma. Exemplo: eosina.
  • Os corantes básicos possuem auxocromo catiônico, ou seja, carga positiva e afinidade com componentes ácidos do tecido (aniônico (-)), portanto, cora estruturas basófilas, como o núcleo. Exemplo: hematoxilina.

As colorações histoquímicas, em sua maioria, são realizadas a partir do bloco de parafina, portanto, o material deve ser fixado em formol 10%, clivado (redução das dimensões do material para melhor penetração do formol e acondicionamento em cassete plástico), passar pelo processo histoquímico e emblocado em parafina. Tais colorações podem ser feitas através de kit específico ou por método manual, por meio de reagentes.

Muitas são as colorações histoquímicas que podem ser utilizadas como métodos complementares da rotina anatomopatológica. A seguir veremos mais sobre a utilidade das principais colorações:

  • Ácido Periódico de Schiff (PAS): glicoproteínas, secreções celulares, fungos (fotomicrografia 1).
  • Azul da Prússia (Perls): evidencia compostos férricos, hemossiderina.
  • Azul de Toluidina: evidenciação dos grânulos metacromáticos dos mastócitos (fotomicrografia 2).
  • Fontana Masson: grânulos melanocíticos dos melanócitos (fotomicrografia 3).
  • Grocott: corante à base de prata, específico para fungos (fotomicrografia 4).
  • Picrosirius: colágeno do tipo I e tipo III, através da refringência sob luz polarizada (fotomicrografia 5).
  • Reticulina: fibras reticulínicas (fotomicrografia 6).
  • Rodanina: evidenciação do acúmulo de cobre (fotomicrografia 7).
  • Sudan Black: para gordura, entretanto, utilizado em cortes não parafinados e sim por congelação, pois substâncias como o xilol utilizado no histotécnico dissolve conteúdo gorduroso.
  • Tricômico de Masson: evidencia tecido muscular e fibras colágenas (tecido conjuntivo).
  • Vermelho congo: deposição de amiloide, através da refringência sob luz polarizada (fotomicrografia 8).
  • Ziehl-Neelsen: bacilos álcool-ácido resistentes – Mycobacterium spp. (fotomicrografia 9).
  • Oil Red O: triglicerídeos e lipídios em secções congeladas, pois substâncias como o xilol utilizado no histotécnico dissolve conteúdo gorduroso (fotomicrografia 10).

 

Fotomicrografia 1 – Coloração histoquímica de PAS (Ácido periódico de Schiff). Evidenciação de estruturas fúngicas (Cão, pele, micose cutânea – 400x).

Fotomicrografia 2 – Coloração histoquímica de Azul de Toluidina. Observar os grânulos metacromáticos intracitoplasmáticos (Cão, pele, mastocitoma – 400x).
Fotomicrografia 3 – Coloração histoquímica de Fontana Masson. Observar os grânulos de melanina intracitoplasmáticos corados em preto (Cão, baço, metástase de melanoma melânico – 200x).
Fotomicrografia 4 – Coloração histoquímica de Grocott. Estruturas fúngicas impregnadas pela prata com marcação em preto.
Fotomicrografia 5 – Coloração histoquímica de Pricosirius. Coloração vista ao microscópio de luz sem polarização (A); Fibras colágenas do tipo I e III refringentes à luz polarizada (Gato, rim – 100x).

Fotomicrografia 6 – Coloração histoquímica de reticulina. Evidenciação de fibras reticulínicas, principalmente ao redor de vasos sanguínecos (Cão, fígado – 100x).

Fotomicrografia 7 – Coloração histoquímica de rodanina. Evidenciação dos acúmulos de cobre intracitoplasmáticos (Cão, fígado – 400x).
Fotomicrografia 8 – Coloração histoquímica de Vermelho Congo. Amiloide refringente quando submetido à polarização, de cor verde maça (Gato, rim – 200x).
Fotomicrografia 9 – Coloração histoquímica de Ziehl-Neelsen. Bacilos álcool-ácido-resistentes corados em roxo no centro da imagem.
Fotomicrografia 10 – Coloração histoquímica de Red Oil O em corte por congelação. O conteúdo gorduroso (Gato, pulmão – 200x).

No CVAP realizamos colorações especiais sempre que necessário para melhor conclusão do diagnóstico. Vale ressaltar que a aplicação das colorações na rotina diagnóstica, bem como sua avaliação, interpretação e correlação anatomopatológica, segunda a morfologia e suspeita diagnóstica, cabe ao médico veterinário patologista, profissional capacitado para tal função.

Referências

CAPUTO, L. F. G.; GITIRANA, L. de B.; MANSO, P. P. de A. Técnicas histológicas. In: MOLINARO, E.; CAPUTO, L.; AMENDOEIRA, R. (Org.). Conceitos e métodos para formação de profissionais em laboratórios de saúde. Rio de Janeiro: EPSJV;CAPUTO; GITIRANA; MANSO, 2010. p. 89-188.

Técnicas histológica empregadas no Departamento de Anatomia Patológica – UNICAMP. Campinas, 2011. Disponível em: http://anatpat.unicamp.br/tecnicashistologicas.html. Acesso em: 16 abr. 2020.